quinta-feira, 22 de outubro de 2009

 Borboleta
Baseado em "Zorba", De Nikos Kazanizaki

Um dia, uma pequena abertura apareceu no casulo; um homem sentou e observou a borboleta por várias horas, conforme ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daque pequeno buraco. Então pareceu que ela havia parado de fazer qualquer progresso. Parecia que ela tinha ido o mais longe que podia, e nao conseguia mais.

Então o homem decidiu ajudar a borboleta: ele pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo. A borboleta, então, saiu facilmente.
Mas seu corpo esta murcho e era pequeno e tinha as asas amassadas.
O homem continuou a observá-la porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abririam e esticariam para serem capazes de suportar o corpo que irai se afirmar com o tempo.
Nada aconteceu! Na verdade, a borboleta passou o resto de sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar.

O que o homem, em sua gentileza e vontade de ajudar, não compreendia, era que o casulo apertado e os esforço necessário à borboleta para passar através da pequena abertura eram o modo pelo qual Deus fazia com que o fluido do corpo da borboleta fosse para as asas, de forma que ela estaria pronta para voar uma vez que estivesse livre do casulo. Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos em nossa vida.
Se Deus nos permitrisse passar através de nossas vidas sem quaisquer obstáculos, ele nos deixaria aleijados.Não iríamos ser tão fortes como poderíamos ter sido. Nós nunca poderíamos voar.
Assim também a missão dos educadores: deixar que nossos alunos rompam os casulos, enfrentem as dificuldades, criem asas, voem, voem...
(PALAVRAS ENCANTADAS - org Durval Angelo e Ana Maria Gonçalves, p.165-166)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário